Respeito é bom e todo o mundo gosta (?)

Boa tarde!

O que me motivou a escrever hoje é um assunto bastante desagradável. Todos vocês já devem ter lido que certo astro pop, cujo nome  não vou dizer já que não tenho a mínima intenção de dar ibope pra ele, cuspiu em suas fãs na sacada de um hotel. Há algumas pessoas que dizem que uma das fãs pediu que ele fizesse isso. Então não tem problema algum, certo? Errado! Uma pessoa que pede algo assim não tem o mínimo de amor próprio. E um astro pop que atende um pedido como esse, não tem respeito por seus fãs e menos ainda por sua própria imagem. Agora você deve estar pensando: “mas esse blog é sobre o Mika e, até onde eu sei, não foi o Mika quem fez isso. Ou será que foi?” E é com muito orgulho de ser fã de alguém como o Mika que eu te respondo com todas as letras: Não! Não foi o Mika!  E você por sua vez deve estar confuso e se perguntando o que esse assunto tem a ver com o Mika. Com muita alegria que eu respondo: Absolutamente nada! Que bom, não é mesmo? Pois é! É esse o ponto.

Por ser tão fã de Mika, já me trataram como se eu fosse louca,  imatura, etc. Muita gente que não conhece e não faz a mínima questão de saber quem é Mika já faltou com respeito a mim e a ele. Para a minha tristeza, já ouvi comentários infelizes vindos de pessoas das quais eu gosto muito.  Já ouvi que Mika não tem talento, que ele é um veadinho (essa é nova! quanta originalidade!), e uma porção de outras coisas. O que mais me magoou, foi quando uma pessoa muito próxima me disse que ele é uma farsa. Sim, pasmem! A teoria dessa pessoa é que o Mika é um mero personagem e ele só é gentil e atencioso, autêntico, só diz que sofreu bullying na infância, que é disléxico, etc,  para vender mais discos. Eu não sabia que loosers estavam na moda! A gravadora deve ficar feliz, pois ele vende muito mais que os outros astros fabricados que não tem capacidade de compor suas próprias músicas, não é mesmo? Creio que devo parar com os argumentos de fangirl para não perder a credibilidade.

O próprio Mika disse uma vez que se você gosta de um artista, deve ficar longe do caminho dele, pois seu ídolo pode te decepcionar. Sábias palavras. Creio que nem mesmo os fãs dele estão imunes a isso.  Ouvi dizer que ele já negou abraços e qualquer tipo de contato físico com os fãs em um meet & greet e já vi um vídeo onde ele repreende uma fã que tenta dar um beijo no rosto dele. Mas não creio que ele esteja errado nesse ponto. Afinal, se ele dá liberdade para um fã todos irão querer o mesmo, e a fila de fãs é enorme!

Quem sabe o Mika não seja mesmo um personagem? É pouco provável que isso seja verdade, porém, não é impossível. Ainda assim, há de se admitir que é admirável a maneira como ele trata os fãs com respeito e atenção e a maneira como ele preserva a privacidade dele e tem respeito e cuidado com sua imagem pública, procurando não se contradizer, não desrespeitar ninguém e ser fiel às suas origens. Os jovens tem muito a aprender com ele.

No final das contas, não é tão ruim o fato de que um artista como o Mika não tenha todo o reconhecimento que merece. O revoltante é viver numa sociedade onde muitas pessoas, principalmente adolescentes, permitem que os tratem como lixo e idolatrem celebridades que não respeitam nem sua própria imagem nem seus fãs. E a pior parte é que ninguém parece se importar com isso.

Ouvindo Live in Cartoon Motion – Relax, Take it Easy

Boa noite!

Vou fazer algo um pouco diferente aqui no blog nos próximos dias. Ainda não decidi se farei diariamente ou semanalmente. Enfim, a ideia é comentar todas as músicas dos álbuns de estúdio do Mika. Começarei de Life in Cartoon Motion. Não pretendo seguir a ordem do CD, então começarei com Relax.

relax

Relax não é a minha música favorita no LICM, mas eu tenho muito carinho por ela por uma razão que talvez seja compartilhada pela maioria dos fãs de Mika: quando estou triste, não importa o motivo, essa música tem o poder de fazer com que eu me sinta melhor instantaneamente.

A música que tem elementos de  (I Just) Died in Your Arms de Nicholas Eede é muito interessante. Como tudo nesse álbum, a letra é bastante contrastante com a melodia. Se você reparar na primeira estrofe, verá que ela é altamente depressiva, forte. Chega a dar desespero.

“Took a ride to the end of the line 
Where no one ever goes. 
Ended up on a broken train with nobody I know 
But the pain and the longing’s the same. 
Where the dying 
Now I’m lost and I’m screaming for help.”

Quando estou depressiva, acabo me deparando com a situação na qual me encontro no momento em que ouço.  A melodia de início não contrasta muito, pois é um pouco fria. A música então vai evoluindo de maneira a ficar alegre e, dependendo do ponto de vista, até dançante.

A conclusão da letra com o refrão é bastante realista mas não tem nada mais sensato pra se ouvir quando se está nervoso com alguma coisa.

“Relax, take it easy 
For there is nothing that we can do
Relax, take it easy 
Blame it on me or blame that on you. “

E por fim, a estrofe mais reconfortante da música, que é o que te lembra que não importa o tamanho do seu problema, você nunca está sozinho.

“Relax 
There is an answer to the darkest times
It’s clear we don’t understand but the last thing on my mind 
Is to leave you. 
I believe that we’re in this together. 
Don’t scream – there are so many roads left”

Pra concluir, diria que essa música começa cinza, mas no final é multicolorida. Viajando um pouco, arrisco-me a compará-la aos filmes do Mágico de Oz.

Letra: http://www.vagalume.com.br/mika/relax-take-it-easy.html

Beijos.

Pop Up – XL 88 (Julho de 2013): “Isto é uma guerra, você simplesmente não sabe (DataGate e você)”

Boa noite!

Pra quem não sabe, Mika escreve mensalmente para a revista italiana XL la Repubblica uma coluna intitulada Pop Up. Eu fiz a tradução deste mês para o Mika Fan Club Brasil e achei tão interessante que resolvi postar aqui também.

Mika escreve muito bem, sem sombra de dúvidas. O assunto que ele resolveu abordar esse mês é muito interessante. Na minha opinião, essa foi uma das melhores que ele já escreveu até hoje.

Segue a coluna:

Mika (1)

Ilustração feita por Dawack

Você não é nada. Você é só uma gota no mais imenso oceano que você possa imaginar. Ninguém se lembra de uma gota, só nos lembramos de ondas. Você é tão inútil e esquecível quanto um grão de areia da última praia na qual você esteve ou como uma única gota de chuva em seu para-brisa durante a última tempestade. É nisso que eles querem que você acredite. Eles fazem você se sentir tão inútil como um pedaço de merda e você agir como tal. São empresas, corporações, governos e indivíduos, que coletam dados e padrões de comportamento, sem o seu conhecimento ou consentimento. Nós somos as gotas de água que formam um oceano.

Ao lidar com a simples questão de que a nossa privacidade está sendo violada, lidamos com isso psicologicamente dizendo a nós mesmos que não somos significantes o bastante para que isso tenha importância. Se nossas ligeiras indiscrições e hábitos secretos estão sendo registrados e espionados, o que importa? Nossos caprichos e hábitos secretos não são ameaças à segurança nacional nem ameaçam vidas. Eu sinto que temos sido perigosamente insensíveis em relação a nossa própria privacidade

O recente escândalo Datagate foi fascinante para mim. Não somente pelo fato de que o governo dos EUA e Reino Unido tem interceptado nossos e-mails e chamadas telefônicas mas também pela esmagadora resposta silenciosa do público geral comparado à extensiva exploração da história por parte da mídia. Esta não é a primeira vez, nem a última, em que lidamos com escândalos desse tipo. As políticas de privacidade e coleta de dados do Google e Facebook tem sido questionadas pelas autoridades europeias. O novo X-Box, com sua câmera que aprende nossos hábitos e nos observa estando ligada ou desligada é só outro capítulo da guerra entre o indivíduo e seu mais sombrio, mas invisível, grande irmão.

No meu website oficial, eu tenho sido forçado a coletar dados básicos, bem como notificar o usuário de que isso acontece. Isso, infelizmente não está sob meu controle, e sim de uma política da Universal (a qual é dona do site). Nos meus fã sites, eu coleto dados somente de quem se inscreve para participar do fã-clube. Estamos muitas vezes postando detalhes de nossa vida no Twitter e Facebook, estamos erodindo nossos limites no que diz respeito à nossa privacidade. Algo essencial que esquecemos é a importância da escolha. Nós escolhemos o que compartilhar, o que mostrar e o que sepultar no armário.

Não somos nada. É mais fácil fazer-nos perdoar e esquecer e deixar o problema agravar-se quando nos sentimos como se nossas vidas privadas e as comunicações fossem inconsequentes. Sozinhos, nossos dados podem não ter poder, mas para os coletores, são uma mina de ouro coletiva, e devemos absolutamente perceber nosso valor.

Acredito que cada um de nós está irritado e enfurecido com o fato de que os detalhes de nossa vida e hábitos já não nos pertencem e que a escolha de qual parte de nossas vidas privadas queremos compartilhar não é mais nossa. Neste oceano de pessoas e informações, é fácil esquecer as consequências reais que um único usuário da internet entre bilhões pode ter em outro único. Quantos adolescentes devem chorar em particular depois de serem humilhados no Facebook diante de toda a sua escola. Quantos jovens correm o risco de cometerem suicídio depois de serem descobertos por perto de estranhos online. Nossos números enormes tornam nossas ações mais frias ainda que tenhamos o objetivo de nos aquecer lendo sobre fofocas e colocando nossos olhos e ouvidos onde não deveriam estar. Este calor é uma promessa falsa, uma droga barata, que tem um preço e essa relação viciosa nunca será resolvida até que cada um de nós aceite a nossa responsabilidade comum para com a privacidade do outro. Só então podemos permanecer unidos contra governos e corporações, os dois que parecem mais e mais com a mesma coisa do que nunca. Só então poderemos parar este turbilhão violento rumo a um Orwelian buraco de merda de um mundo.

Esta é uma tradução para o português feita pelo Mika Fan Club Brasil. Leia a original em inglês no seguinte link: http://xl.repubblica.it/articoli/mika-pop-up-xl-88-english-version-this-is-war-you-just-dont-know-datagate-and-you/4678/

Se você gostou e quer ler as publicações anteriores, pode encontrá-las no Mika Fan Club Brasil: https://www.facebook.com/notes/mika-fan-club-brasil/pop-up-colunas-do-mika-para-a-revista-italiana-xl-repubblica/483213725104085

Espero que tenham gostado.

Beijos.

Vídeo de We Are Golden – Versão do diretor

Boa noite!

Sexta-feira à noite e a gente em casa. Que chato, né? Que tal um videoclipe do Mika para animar? Vamos de We Are Golden que é praticamente o hino dos fãs de Mika. Creio que todos adoram esse vídeo. Mas e a versão do diretor? Você já conhece?

mikagolden5

Próximo da época do lançamento do vídeo, a versão do diretor circulava normalmente no Youtube. Hoje, por mais que se procure, geralmente você encontra aquela versão mais light de We Are Golden. Esta versão é a mesma que você encontra no canal Vevo oficial do Mika.

Mas afinal, o que é essa versão do diretor? Creio que muitos já conhecem, mas ela é um tanto difícil de se encontrar. A versão do diretor é conhecida por muitos como versão censurada , porém, não sei se é o caso.  Afinal,  já vi videoclipes com muito mais motivos para serem censurados circulando normalmente por aí. Essa versão que vocês estão prestes a ver é bastante ousada. Eu diria que  aproximadamente 80% do vídeo contém as mesmas cenas. Os outros 20% são cenas apimentadinhas espalhadas pelo vídeo.

Caso você não tenha visto ainda e esteja morrendo de curiosidade, veja o vídeo no site da Black Dog Films na sessão do diretor, Jonas Akerlund. E se você já viu, não custa nada ver novamente, não é mesmo?

OBS: Para reproduzir o vídeo é necessário ter o QuickPlayer instalado em seu computador. Segue link:

http://www.blackdogfilms.com/directors/uk/jonas-akerlund-uk/mika-we-are-golden/#

Beijos!

Ouçam a voz do Max

Boa noite!

Tenho um recado pra você que não acessa o blog com frequência, ou que não compartilha no Face nem no Twitter. Você está condenado! Está condenado a ouvir a voz do Max pelo resto de sua vida!

Brincadeirinha! Só estou passando aqui pra relembrar esse momento meigo. Quando vi esse vídeo, pensei que o Max fosse desmaiar.

[youtube:”http://www.youtube.com/watch?v=ZCyws9AbzSY”%5D

Beijos.

La vida secreta de Plaza Sésamo

CNNEspañol.com

Por Nick Glass y Lianne Turner

Nueva York (CNN) — Desde la década de 1960, las marionetas de Plaza Sésamo han corrido, cantado y bailado en las pantallas de nuestros televisores como si tuvieran vida propia.

Pero detrás de las marionetas de Plaza Sésamo está un mundo casi surreal, donde los “titiriteros” y los creadores de marionetas crean las ilusiones cómicas que han hechizado a generaciones de niños y que han otorgado al programa más de 100 Premios Emmy.

Ver o post original 656 mais palavras

Happy Ending – Tutorial de piano

Boa noite!

Hoje fiquei praticamente o dia todo brincando no Synthesia, um programa interessante pra quem quer aprender a tocar piano. Você pode treinar com as músicas que já estão no programa e adicionar novas músicas, desde que estejam no formato midi.

happyending
Eu, como não tenho a mínima noção de como tocar, por enquanto estou só brincando com o aplicativo e tentando aprender algo. Como já era de se esperar, estou muito longe de conseguir tocar alguma música do Mika.

De qualquer modo, subi no Youtube um tutorial de Happy Ending pra quem quiser se arriscar. Lembrando que não sou eu tocando, esse é o modo automático do Synthesia. Você pode encontrar outros tutoriais no Youtube, mas este foi editado para que somente o piano seja executado, para evitar aquela mistureba de instrumentos.

[youtube:”http://www.youtube.com/watch?v=pDFMzu_sOSY”%5D

Se você quiser obter o programa, pode baixá-lo gratuitamente em: http://www.synthesiagame.com/. Nele, você aprende a tocar piano como se fosse um jogo, no melhor estilo Rockband.

Espero que gostem!

Beijos.